Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons by-sa 3.0. Rua_Juventude Anticapitalista, exceto quando proveniente de outras fontes ou onde especificado o contrário. 

Em memória de Fernando Santa Cruz, repudiamos Bolsonaro!

O ano de 1968 é um marco na perda de direitos democráticos. A emissão do AI-5 é onde começa a história de Fernando Santa Cruz com o Rio de Janeiro e com a cidade de Niterói.


Por sua luta enquanto militante estudantil em Recife, Fernando é obrigado a abandonar sua terra para vir ao Rio de Janeiro. O decreto que suspendia todas as garantias constitucionais aos cidadãos, dando poder irrestrito à Costa e Silva de nomear interventores para agir em todas as esferas, era um ameaça à vida de um comunista recentemente preso por estar em manifestação.

Era muito arriscado continuar em Pernambuco após o AI-5. Fernando muda para o Rio com sua esposa e, pouco depois, ingressa no curso de direito da UFF. Passando pela militância do Diretório Acadêmico de seu curso e depois no Diretório Central dos Estudantes.

Sua mãe, Dona Elzita nunca desistiu de encontrar o filho. Peregrinou por quartéis, órgãos internacionais e pela sede do DOI CODI, numa luta incansável que se tornou símbolo de resistência. Ela faleceu, há pouco mais de um mês, aos 105 anos de idade sem nunca descobrir o paradeiro de Fernando. O jovem, militante da Ação Popular Marxista- Leninista, desapareceu no Carnaval de 1974, pelas mãos da ditadura militar e hoje não há um militante do movimento estudantil que não saiba seu nome, que batiza o DCE da UFF.

Em seu desaparecimento, Fernando deixava um filho de 2 anos de idade. Filho este que hoje preside a Ordem dos Advogados Brasileiros. Hoje Bolsonaro afirmou à Felipe Santa Cruz, filho de Fernando e presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, que sabe como seu pai desapareceu. Felipe inclusive foi batizado em homenagem à Humberto Câmara Neto, companheiro de Fernando desaparecido após ser preso e torturado pela polícia carioca.

É inadmissível que um presidente eleito desrespeite a dor de uma família que perdeu um ente e hoje luta por memória e justiça. A ditadura militar foi um período cruel na história de nosso país. Milhares de pessoas deram suas vidas pelo reestabelecimento da democracia, pela garantia plena dos direitos humanos. Repudiamos qualquer menção à torturadores e assassinos, exigimos justiça para Fernando e tantos outros, que para nós que hoje vivemos tempos de ódio na política, são exemplos de luta.

Aos nossos mortos nenhum minuto de silêncio, mas uma vida inteira de luta!

Please reload

Please reload