Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons by-sa 3.0. Rua_Juventude Anticapitalista, exceto quando proveniente de outras fontes ou onde especificado o contrário. 

Nota do Rua em solidariedade a Guilherme Boulos e ao MTST

3.4.2016

“Primeiro levaram os negros

Mas não me importei com isso

Eu não era negro

 

Em seguida levaram alguns operários

Mas não me importei com isso

Eu também não era operário

 

Depois prenderam os miseráveis

Mas não me importei com isso

Porque eu não sou miserável

 

Depois agarraram uns desempregados

Mas como tenho meu emprego

Também não me importei

 

Agora estão me levando

Mas já é tarde.

Como eu não me importei com ninguém

Ninguém se importa comigo.

Bertolt Brecht”

 

O DEM e o PSDB entraram com representação na justiça pedindo a prisão do dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, referência da luta dos trabalhadores sem teto pelo país, que tem se destacado no último período como um dos porta-vozes da política do MTST e na defesa intransigente dos direitos e das conquistas populares. Isso demonstra uma  tentativa evidente de intimidar a resistência e de criminalizar as lutas dos movimentos sociais.

 

Vivemos um período de crise institucional, econômica, ecológica, em que o grande capital tenta cada vez mais aplicar medidas que vão contra os direitos historicamente conquistados pela classe trabalhadora, atacam principalmente os direitos dos setores mais oprimidos, especialmente as mulheres, o povo negro e LGBTs.

 

Nesse contexto também a resistência é cada dia mais difícil e necessária, não à toa está em curso uma tentativa de criminalização de quem se pretende a fazer luta e resistência, patrocinado tanto pela direita (como na tentativa de prisão do Boulos feita pelo PSDB e DEM), quanto pelo governo federal que sancionou a Lei Antiterrorismo, lei que diga-se de passagem de autoria do próprio governo.

 

Como já diria Brecht “que tempos são esses que precisamos dizer o óbvio?”, resistir aos ataques e do grande capital e fazer luta na conquista de direitos e sonhar em uma sociedade sem opressões e exploração, não é e não pode ser tratado como crime!

 

Por isso, nós do RUA - Juventude Anticapitalista, nos solidarizamos com o camarada Guilherme Boulos e repudiamos qualquer tentativa de criminalização da luta e dos movimentos sociais! Boulos e MTST são aliados importantes de luta e resistência, um ataque a qualquer um deles representa um ataque a todos/as que sonham na construção de uma sociedade justa e igualitária!!

 

Só a Luta muda a vida!

MTST, a luta é pra valer!!

Não Passarão!!

Haverá Resistência!!

‪#‎EstouComBoulos‬

 

 

 

Please reload

Please reload