Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons by-sa 3.0. Rua_Juventude Anticapitalista, exceto quando proveniente de outras fontes ou onde especificado o contrário. 

Paraná em LUTO e na LUTA pela educação!

11.5.2015

 

Foram horas de bombas, gás de lacrimogêneo, spray de pimenta, cachorros a solta, balas de borracha, arma sônica e helicópteros e centenas de policiais cercando a ALEP. Tudo isso foi arquitetado pelo Governador Beto Richa e seu secretário de segurança, Francischini, em nome da segurança e preservação da Assembleia Legislativa do Paraná contra os “Black Blocs”, nas palavras do governador Beto Richa, em entrevista concedida à mídia.

 

No entanto, a verdade é dura: o massacre do dia 29 de abril foi para barrar a mobilização e resistência da população paranaense e aprovar o saqueamento do fundo da Previdência Social do Paraná para pagamento do calote nas contas públicas que o Beto Richa deixou.

Foram mais de 200 feridos gravemente diante da truculência usada pelo abuso de força policial. Um deputado e  um cinegrafista foram mordidos pelos cachorros que foram soltos, várias pessoas com ferimentos graves foram encaminhados para o hospital, algumas em estado grave.

 

Beto Richa relembrou os tempos da ditadura militar, colocando centenas de policiais, a choque, o uso de diversas armas para atacar a população. É importante frisar que essa violência do Estado não é exceção, mas a regra:  centenas de pessoas são feridas e levam bala de verdade nas periferias do Brasil, em uma verdadeira guerra às drogas e aos pobres por todo o país; no entanto,  essas violações de direitos não aparecem na mídia.

 

 

 

Mas as imagens do massacre do dia 29 de abril assustaram e comoveram pessoas do Paraná, do Brasil e de vários países. No dia seguinte, já começaram a pipocar manifestações espontâneas contra a repressão e ecoando o “Fora Beto Richa”!

 

Na semana passada, no dia 05 de maio, mais de 25 mil pessoas realizaram marcha em solidariedade aos/às professores/as do Paraná que foram violentamente agredidos no último dia 29 de abril.

 

Frente à indignação com o massacre, cresce em todo o país solidariedade aos/às professores do PR. A indignação popular chegou aos estádios de futebol e shows em Curitiba no último final de semana, quando o estádio do Couto Pereira e o show do Criolo no Teatro Guaíra, nos quais ambos a plateia ecoou: Fora Beto Richa!

 

Com a crise e recessão econômica pela qual passa o Brasil, os governos tanto a nível federal, quanto a nível estadual, tem dado as mesmas respostas com medidas neoliberais: cortes, ajustes fiscais e retiradas de direitos. Por isso, vemos no país uma onda crescente de mobilizações da população indignada com os efeitos da crise que tem recaído sobre os trabalhadores e a juventude e não os ricos e grandes empresários.

 

É fundamental que a juventude aliada aos/às trabalhadores/as se unam em grandes mobilizações contra as ameaças e retrocessos que estamos passando com a aprovação da PEC 171 da redução da maioridade penal, da PL 4330 da terceirização, da MP 664 e 665, contra os cortes nas áreas sociais da Dilma e do Levy. O Fora Richa cresce em todos os cantos do Paraná e em diversos lugares do país. Devemos fortalecer e massificar ainda mais a campanha #ForaBetoRicha.

 

Neste momento da conjuntura tão dinâmica, onde os ataques aos/às trabalhadores/as se intensificam, mas as lutas também aumentam na sua mesma proporção, é fundamental construirmos o dia 29 de maio, como um dia nacional de lutas e paralisações , que vem sendo construído de forma unitária, por diversas centrais sindicais e movimentos, como foram os atos do dia 15 de abril, contra a PL 4330. Tomar as ruas contra os retrocessos, por mais direitos!

 

Please reload

Please reload